A história do Sola no Mundo

santiago-solanomundo
Santiago é palmeirense
15 de novembro de 2017
sntabarbara-solanomundo
Salve Santa Bárbara!
15 de novembro de 2017

A história do Sola no Mundo

Tenho escrito sobre minhas experiências de viagem mas senti falta de compartilhar a minha história e a razão da minha enorme dedicação e amor por este projeto. Senti que esse post era mais que necessário, então vamos lá!

Eu estava fazendo faculdade de publicidade quando consegui um estágio que era a minha cara: trabalhar na maior rede social de viajantes do brasil, O Dubbi!

Eu cuidava de todas as mídias sociais, escrevia roteiros, tratava do engajamento da comunidade…até organizei um grande evento e sempre que tinha um tempinho, corria para escrever alguma coisa no meu blog. Ele ainda era dentro do Dubbi.

Com o passar do tempo fui conhecendo a multidão que faz essa rede social acontecer e em alguns dias especiais, conheci alguns feras do mundo dos blogs de viagem.

Cachoeira de Santa Bárbara - Cavalcante, GO

Cachoeira de Santa Bárbara – Cavalcante, GO

Aprendi muito, entendi diversas dinâmicas e tecnologias de como reportar para o mundo- As experiências de uma viagem. Conversei com fotógrafos, cineastas, designers e diversos outros especialistas que deixaram suas carreiras descansando para assumir Viajar como profissão.

Entre tanta informação e uma paixão por escrever que crescia eu tive alguns insights.

Pico da Bandeira - MG

Pico da Bandeira – MG

O primeiro:  Minha parte favorita do trabalho era aquele momento que minha tarefa era escrever um texto. Durante aquele dia eu sentava para escrever sem culpa. Algumas boas vezes estes textos eram publicados no Catraca livre ou no Awebic, quando isso acontecia, nada nem ninguém nesse mundo era capaz de abalar o meu humor ou a minha autoestima.

Dunas do Jalapão - TO

Dunas do Jalapão – Tocantis

Depois de entender essa paixão maluca por colocar meus pensamentos em palavras, veio o segundo: Fazem dois anos que eu não tenho férias. Uau, esse foi dolorido.

Antes do Dubbi eu estagiei em uma produtora de filmes e nessa loucura que São Paulo tem o poder de te sintonizar, por dois anos eu não tirei férias nem fiz uma viagem de mais de 5 dias.

Cais do valongo - Rio

Cais do valongo – Rio

E o terceiro e decisivo foi: Eu não gosto de publicidade, cara, esse era um dos mais importantes…eu ainda tinha um ano e meio de faculdade e neles teria que estudar algo que já tinha consciência que eu não gostava, mesmo.

Parque Nacional de Ibitipoca - Minas

Parque Nacional de Ibitipoca – Minas

Então eu fiz o seguinte:

  1. Pedi as contas, com o coração apertado e muita coragem.
  2. Pedi ajuda e montei esse blog que eu tanto amo
  3. Transferi o meu curso na faculdade para Jornalismo
  4. Passei no banco e tirei todo o meu pouco dinheiro
  5. Comprei passagens, ingressos e fiz a minha mala

O sexto passo foi embarcar em congonhas e passar o mês inteiro de julho na Chapada dos Veadeiros me descobrindo e registrando de todas as formas possíveis.

O sétimo e último até agora foi criar o perfil desse projeto no Instagram e no Facebook e lá da Chapada postar quantas fotos eu conseguisse nos preciosos momentos de wi-fi.

Aldeia Multiétnica – Chapada dos Veadeiros

Nesse mês fora eu conheci as algumas das cachoeiras mais lindas do Brasil, vi o Prem Baba, trabalhei em uma Aldeia que reuniu mais de 9 povos indígenas diferentes, encontrei amigas de infância, fiz um trabalho espiritual, cozinhei gororobas veganas, repensei muitos aspectos da minha vida, dançei forró, assisti um show do Lenine, peguei carona na estrada, chorei, sorri, dei uma oficina de massagem e conheci muita gente vivida.

Foi nessa viagem que eu entendi o propósito do Sola no Mundo, que já estava pronto mas ainda não tinha alma.

Pico da bandeira – Divisa com Espírito Santo

Esse projeto é para falar basicamente de pessoas. Não vou me estender sobre os roteiros, preços de passagem, hospedagem e os melhores destinos. Isso faz parte, claro.

Mas esse blog é para falar de coisas que não estão no Google.

Vou contar sobre a história das pessoas e a cultura que elas cresceram. As sensações que elas despertaram em mim. Suas luta, seus amores..qualquer coisa que tenha que ser, que eu encontrar, vou contar a verdade.

Cachoeira da formiga - Jalapão

Cachoeira da formiga – Jalapão

Ah, sim..Muitas vezes encontro pessoas que mudam a minha cabeça, me viram do avesso e me mostram um novo ponto de vista e mesmo assim posso esquecer do seu nome, é por isso me dei a licença de inventá-los.

Estou falando aqui de culturas tradicionais, de questões políticas, ambientais e também de beleza, de arte e de amor.

Barra do Una - São Paulo

Barra do Una – São Paulo

Agradeço a você que está lendo e que da sua única forma está fazendo parte disso. Ainda não sei que rumo esse projeto irá tomar nem nada do futuro mas ele agora faz sentido para mim e eu vou defendê-lo

Um beijo muito grande sem maiores promessas dessa estudante de jornalismo que agora vos fala,

Raquel Cintra Pryzant

Aldeia multiétnica - Chapada dos Veadeiros

Aldeia multiétnica – Chapada dos Veadeiros

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *