malta verão
Melhores destinos de verão na Europa para escapar do inverno brasileiro
29 de fevereiro de 2024
onde comer pastrami
Onde comer Pastrami, a técnica que conquistou o paladar brasileiro
12 de março de 2024

Conheça a culinária Guarani da Terra Indígena Tenondé Porã sem sair de SP

Tempo de leitura: 2 minutos
Milho crioulo na Adeia Tekoa Tenondé Porã

Milho crioulo na Adeia Tekoa Tenondé Porã/Foto: Raquel Cintra Pryzant

Milho crioulo, canjica, feijão com ervas, peixe na folha, frutas e “kavure” – o pão na vareta – são ingredientes da culinária Guarani que podem ser provados em um almoço especial a menos de 1h30 do centro de São Paulo.

Os ingredientes são nativos, colhidos na hora e variam conforme a estação – atributos que você já deve ter ouvido em restaurantes renomados por aí. Mas o conceito “farm to table” se converte em “da roça para a mesa” dentro da Terra Indígena Tenondé Porã, onde o milho é tão colorido quanto os desenhos de seus artesanatos.

Localizada no extremo sul de São Paulo, a extensão da Tenondé Porã é de aproximadamente 15.969 hectares, abrangendo parte dos municípios de Mongaguá, São Bernardo do Campo e São Vicente.

São 7 aldeias que dividem uma Terra Indígena que tem uma extensão de aproximadamente 15.969 HECTARES e está situada no extremo sul do município de São Paulo.

São 7 aldeias que dividem uma Terra Indígena que tem uma extensão de aproximadamente 15.969 hectares e está situada no extremo sul do município de São Paulo/Reprodução/Tenondé Porã

Este território rico em biodiversidade é lar do povo Guarani Mbya, que assim como outros povos da floresta, representa quando o assunto é a conservação da Mata Atlântica. São mais 2.000 pessoas em cerca de 14 aldeias, as chamadas “tekoas”, que são organizadas com um conselho de lideranças – 12 de 22 são mulheres.

Durante a visita, que normalmente acontece em um sábado ou domingo, é possível perceber que o cerne da experiência não está em ponto turístico algum, mas sim no “nhandereko” – o modo de ser do povo Guarani Mbya.

O roteiro muda de acordo com a rotina da aldeia, mas as atividades que normalmente são oferecidas envolvem: roda de conversa com lideranças indígenas, visita para conhecer o sistema de cultivo agroflorestal, coral infantil Guarani, exposição e venda de artesanatos e experiências na Casa de Rezas.

Todas as atividades no Território Indígena devem respeitar o Manual de Conduta definido no Plano de Visitação, documento desenvolvido pelo povo Guarani que contém as diretrizes e orientações necessárias para uma boa visita.

Roteiro de turismo de base comunitária com a Vivalá

  • Ponto de Encontro: Estação Ana Rosa do metrô (São Paulo – SP)
  • Saída: 11h e retorno 20h
  • O que está incluso: transportes e almoço com ingredientes orgânicos seguindo a cultura tradicional com ingredientes nativos e opções para vegetarianos e veganos, seguro-viagem
  • Preços: R$ 285 à vista (PIX 5% off) ou 3x de R$ 100 (reserve aqui)

A jornalista foi convidada para a experiência pela Vivalá – Turismo Sustentável no Brasil.

Raquel Cintra Pryzant
Raquel Cintra Pryzant
Raquel Cintra Pryzant é editora da CNN Brasil e editora-chefe do portal de viagem e gastronomia Sola no mundo desde 2017. Com mestrado na Espanha, e experiência internacional, já colaborou com veículos como a National Geographic, BBC, Skyscanner, FOLHA e mais