O significado do cocar para os índios Fulni-ô de Pernambuco

perfume-de-amor
Aurelino Ferreira do Nascimento vende variedades na Feira de São Joaquim
21 de abril de 2018
MarcusSimon-xaxado-novo-solanomundo2
Marcus Simon, o músico que mistura o mundo
4 de junho de 2018

O significado do cocar para os índios Fulni-ô de Pernambuco

Tempo de leitura: 1 minuto
cocar-fulni-o-solanomundo

Neste dia do índio entenda um pouco do significado do cocar para os índios Fulni-ô.

Entre Setembro e Dezembro, durante três meses e alguns dias, os Fulni-ô vão para seu ritual sagrado, o Ouricuri. Neste tempo em que eles produzem os mais lindos cocares, visitas não são bem vindas e a comunicação com eles se torna espaçada. Sua história em Águas Belas- Pernambuco conta com diversos períodos de seca, a mais recente durou cerca de 8 anos. A falta da água do céu ajudou a transformar a caça, que costumava ser a base de sua alimentação, em uma pequena parte dela. Hoje a renda deles é composta por diferentes atividades como a participação de eventos, a pajelância e a venda de artesanato.

Para os Fulni-ô, o cocar é um objeto sagrado que conecta o guerreiro ao grande espírito. Ele é utilizado somente pelos homens. O cocar pessoal não é normalmente vendido, mas podem se transformar em um presente, para alguém querido. Quem ganha um cocar deve cuidar muito bem dele, assim como aqueles que compram um.

A confecção em si é bastante trabalhosa e cheia de significados ocultos aos não-indígenas. Depois de pronto, é possível sentir sua força e se perder, na particularidade de cada pena.

O próprio cocar Fulni-ô pode ser considerado um representante de apropriação cultural. Ele era feito originalmente de palha. As penas dos pássaros utilizadas hoje vêm das trocas de material com outros povos, como os do Alto Xingu, em feiras e eventos. Diferente da apropriação que ocorre quando não-índios utilizam cocar em uma cabeça que não pensa nem na história, nem na luta indígena.

Acredite ou não, é comum que um Fulni-ô sem cocar passe por situações em que precisa provar que é índio, pelo “simples” fato da colonização brasileira, violenta e secular ter transformado seus traços originais. A sua língua, Yatheê, e seus cocares são símbolos de resistência.

Dentro da militância é possível encontrar diversas opiniões. Desde índios contra o uso descontextualizado dos cocares, até índios a favor, por considerarem que todo brasileiro tem sangue indígena. Além dos povos que são indiferentes ao debate, por não utilizarem nenhum tipo de cocar no Brasil.

Raquel Cintra Pryzant
Raquel Cintra Pryzant
Raquel Cintra Pryzant, 23, é jornalista e vive em São Paulo entre suas viagens pelo mundo. Ela é autora do projeto Sola no Mundo, viagens por histórias e culturas onde compartilha entrevistas e reportagens de suas viagens. Além de produzir artigos para Worldpackers, a Raquel é colunista da Hostelworld e trabalha como Nômade Digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *