Os fervedouros congelantes do Jalapão

historia-sola-no-mundo
A história do Sola no Mundo
15 de março de 2017
lamento-de-um-guerreiro-fulni-ô
Lamento de um guerreiro Fulni-ô
17 de agosto de 2017

Os fervedouros congelantes do Jalapão

Tempo de leitura: 2 minutos
cyro-solano-mundo

Gosto de escrever sobre pessoas. Sobre a história delas e a sua tragetória. Tudo o que ela viveu até o nosso encontro me fascina. Suas dificuldades, lutas, relações e sonhos.

Mas hoje não vou escrever sobre uma pessoa, vou escrever sobre um fenômeno natural que me despertou sensações tão brilhantes como as de conhecer uma história nova. Este encontro aconteceu em Maio de 2017, no estado do Tocantins, em um dia quente e alegre.

Foi um dia inteiro de viagem pelas estradas de terra do Jalapão, apesar do carro ser 4×4, nem ele foi capaz de nos distanciar da realidade lá fora. Fui pulando no banco de trás e desci igual uma paçoca. Assim que meus olhos puderam focar novamente eu li: ” Fervedouro Encontro das Águas” e abri o maior sorriso. Ele fica bem perto do Quilombo da Mumbuca.

O Jalapão é bruto.

Depois de uma trilha mínima cheguei em uma piscininha, muito bonita sim…mas nada do que eu esperava. Tinha visto muitas fotos e lido muitos textos sobre os fervedouros do Jalapão e o que vi foi mais que decepcionante.

Depois de ver minha cara de “que bonitinho”, o Cyro, meu amigo disse: Fizeram isso comigo quando cheguei aqui e agora vou te mostrar a beleza do Fervedouro!

Eu falei que queria ver, mas para ele tomar cuidado por que parecia muito rasinho….1,2,3 Tchibum! Pulou bem no meio dessa piscina e assim continuou, sem fazer esforço nenhum. Depois que a água foi acalmando ele permaneceu em pé e eu fiquei sem reação.

Acontece que essas pequenas lagoas são formadas em cima de nascentes. A areia ultra fina forma uma camada entre a nascente e a água represada. Ao pular no fervedouro essa camada é rompida e a água que brota incessantemente da terra não te permite afundar!

Este fenomêno se dá justamente pelo “ferver” dá água que altera a densidade permitindo que a gente pise em uma mistura de areia e água, impossível chegar ao fundo. ( Olha que tentamos)

Depois desse primeiro contato inesquecível, seguimos a estrada. Nosso destino? O mais famoso Fervedouro do Jalapão: O Fervedouro Bela Vista. Estavamos iniciados na matéria dos fervedouros, já haviamos tentado todas as posições possíveis, nenhum fervedouro seria bonito demais para nós até que…

Essa cor foi apelação total

Ah, tá de sacanagem! Como pode um lugar tão lindo?

Fiquei absolutamente apaixonada e mesmo depois de ter passado a manhã desafiando as leis da física no Fervedouro do Encontro passei algumas horas da tarde brincando nesse Óasis. Acho que até as crianças, que apareceram mais tarde, pularam menos desse deck do que eu. Valeu a pena!

Depois dessa experiência sensorial inesquecível aproveitamos um almoço delicioso no próprio Fervedouro com o menu oficial do Jalapão: Arroz, feijão, macaxeira, salada e peixe frito.

 

Raquel Cintra Pryzant
Raquel Cintra Pryzant
Raquel Cintra Pryzant, 23, é jornalista e vive em São Paulo entre suas viagens pelo mundo. Ela é autora do projeto Sola no Mundo, viagens por histórias e culturas onde compartilha entrevistas e reportagens de suas viagens. Além de produzir artigos para Worldpackers, a Raquel é colunista da Hostelworld e trabalha como Nômade Digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *